Entrevista com o capitão da Roadkill, bicampeões do Metal League!

  • 22 de May de 2020

Entrevistamos Birikita, capitão da Roadkill, time bicampeão do Metal League, que acaba de obter o título na edição Sul Americana do Metal League 8. Saiba um pouco mais sobre a trajetória do time e as estratégias para se tornar um time campeão!

 

1) Nesse Metal League tivemos um confronto acirradíssimo já nas semi-finais, entre vocês e a Rumerus Bala, que protagonizaram as finais da última edição da competição. Quando se viram sorteados nesta partida, tiveram receio de não chegar às finais? Como se prepararam? 

R: Acredito que como todo e qualquer time, nosso time se preparou fazendo as coisas de sempre: treinamos, estudamos o adversário e fizemos o nosso melhor nas partidas. Quando nos vimos sorteados nesta partida, não tivemos nenhum receio.

2) Nas partidas contra a HATI Blue, das Finais, vocês tiveram uma performance bastante sólida e dominante, com exceção do terceiro jogo, onde tiveram um pouco mais de dificuldade. Isso foi devido ao pick de Artificer feito pela HATI? Qual foi o elemento de maior dificuldade nessas finais? 

R: Na última partida, tivemos um pouco mais de dificuldade para ajustar a melhor estratégia a ser feita. Tentamos algumas durante os dois primeiros gols até achar a que teríamos a melhor performance.

3) É perceptível, e inevitável, que haja uma certa rivalidade entre as equipes que competem pelo topo da competição. Como a Roadkill enxerga essa rivalidade? Extraem algo positivo disso? 

R: A rivalidade em todos jogos competitivos existe, porém alguns levam para o lado pessoal e outros deixam a rivalidade apenas durante as partidas. Conseguimos extrair uma rivalidade positiva contra algumas equipes para evoluir o nível de todas as equipes de forma saudável ao jogo.

4) Após tantos anos de experiência com o jogo e com as competições, conseguem olhar para trás e enxergar progresso? Qual diriam que é o aprendizado mais valioso desses anos de experiência? 

R: A cada campeonato que participamos, a comunicação e sinergia dos integrantes da equipe é um progresso notável. Além de também ter uma maior maturidade diante situações adversas permitindo assim com que a equipe consiga adaptar durante a partida. 

5) Além disso, também tivemos algumas mudanças no meta do jogo para esse Metal League. O que acharam das composições utilizadas pelas equipes? Tiveram dificuldade com alguma ou tinham receio de enfrentar uma composição específica? 

R: Tirando algumas exceções de personagens bem desbalanceados o meta atual permite a realização de diversas composições com prós e contras, tornando o jogo bem dinâmico. Não tínhamos receio de enfrentar uma composição específica já que na sua grande maioria possuem vantagens e desvantagens que dão para avaliar durante o draft.

6) Também reparamos no ban de Vulture em todas as partidas. Gostariam de comentar algo a respeito? 

R: Esse é um exemplo claro e óbvio de um personagem que está bem desbalanceado para o que o jogo traz. É evidente que algumas composições conseguem anular o Vulture, mas, tendo em vista o jeito que ele foi feito, sempre há uma vantagem para o time que tem um Vulture no jogo, mesmo que haja uma diferença mecânica enorme entre ambos os times. Permitir o uso dele nas partidas seria um equívoco (mesmo que tenhamos ganhado muitas partidas contra ele ao decorrer das classificatórias), de forma que fomos forçados a gastar nossos bans para que ele não fosse colocado em arena. Torço muito para que venha um balanceamento digno a ver a sua presença nas arenas.

7) Outra mudança que vimos na Roadkill, nesse período, é a troca do jogador potrim mindfreak pelo Redbob. Como foi a adaptação do time? Essa mudança refletiu em mudanças de estratégia para a equipe? 

R: A saída do potrim mindfreak veio mais devido sua insatisfação com alguns balanceamentos de personagens. Redbob é um jogador com excelentes habilidades sendo discrepante sua habilidade comparada a tantos outros jogadores no jogo mesmo diante uma situação em que possui equipamentos limitados com conexão limitada à internet. Sem dúvidas sua presença apenas agregou a todos da equipe ajudando a garantir a conquista desse primeiro colocado. O Redbob já estava jogando conosco desde a edição anterior então o time já estava bem adaptado com sua presença.

8) Como se sentem sendo o primeiro time a conquistar o bicampeonato na região SA? O que pretendem fazer com o dinheiro? 

R: Estamos muito felizes com essa conquista inédita! Agora estamos indo em busca ao título de tricampeão. Com relação a premiação, acredito que cada integrante usará para necessidades pessoais, sejam essas para aprimorar o computador ou outras necessidades.

9) Quais os próximos passos e o que podemos esperar da Roadkill no futuro? 

R: A Roadkill está torcendo muito pra que próxima edição tenha um balanceamento de forma a deixar as partidas ainda mais dinâmicas. E nossos passos continuarão sendo a de chegar ao pódio.

10) A pergunta que não pode faltar, agora que carregam uma bagagem maior de experiência com o jogo e com a comunidade: quais as dicas para os novos jogadores? 

R: Sempre que eu encontro novos jogadores eu indico que eles entrem no Discord Oficial do HMM para que consigam interagir com a comunidade mais ativa no jogo. Além disso, existem muitos jogadores experientes que estão abertos pra dar dicas se entrarem em contato com eles, não sejam tímidos! Peçam dicas e ajuda! E por último, mas tão importante quanto as demais dicas, treinem, estudem o jogo, joguem com todos carros para saber suas vantagens e desvantagens.

11) Qual a expectativa do time para o futuro do jogo e para o futuro da competição?

R: Nossa expectativa é que o jogo continue trazendo novidades e mecânicas novas ou que foram retiradas de forma que cative cada vez mais um público, criando uma base sólida de jogadores.
Já sobre a competição, torcemos muito que sejam feitos ajustes diante falhas que podem acontecer e aparecer, permitindo com que a experiência e qualidade fiquem cada vez melhor em cada edição.

 

Valeu, Birikita e Roadkill!

Nos encontramos nas Arenas, pessoal!